Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]





Madalena!

por ss, em 10.02.12
 
 
 

 

Afinal todos somos seres frágeis. Independentemente de toda a força que insistentemente fazemos questão de mostrar, ou que efectivamente tenhamos, a verdade é só uma: há momentos na vida em que todo esse poder nos escorrega das mãos, e em que apenas nos resta continuar a fingir que vivemos.

 

 

Nunca a tinha visto por ali, mas a sua presença não me deixou indiferente. E a minha curiosidade foi-se espicaçando, com uma infinidade de perguntas. Quem seria aquela mulher detentora de uma beleza indiscreta? Como se chamaria? O que faria ela ali? Porque tinha ela aquele ar tão triste?

 

 

- Boa tarde! Vai desejar tomar alguma coisa? – disse-lhe.

 

 

- Boa tarde. Sim! Quero um chá! Um chá de maçã! Maçã e canela. – disse- me, pausadamente, como se mentalmente estivesse a pensar no que ia dizer, palavra por palavra, sem me dirigir o olhar.

 

 

- É tudo? – perguntei-lhe.

 

 

- É! Sabe, não me é permitido pedir-lhe mais nada. – respondeu-me, mantendo-se cabisbaixa.

 

 

- Com licença. Trago já!

 

 

Assentei o pedido, mas aquelas palavras ressoaram na minha cabeça, “não me é permitido pedir-lhe mais nada”. Mas que raio! O que quisera ela dizer com aquilo? Afinal, não era só a sua postura que levantava uma nuvem de suspeição, também a forma como ela deixava flutuar as palavras eram enigmáticas.

 

 

Enquanto preparava o chá, fui olhando para ela de soslaio. Era de facto uma mulher misteriosa.

 

 

- Aqui tem o seu chá! Se desejar mais alguma coisa…

 

 

- Obrigada! Mas, como já lhe disse, não me é permitido pedir-lhe mais nada! – retorquiu.

 

 

- Desculpe, mas não concordo nada, pode pedir-me tudo o que quiser! – disse-lhe eu num tom de brincadeira, na tentativa de lhe desfazer aquele semblante tristonho.

 

 

- Já não vou a tempo. – dito isto, tirou uma das luvas da sua mão, e puxou para junto de si a chávena de chá.

 

 

- Está com a pressa? – intrometi-me eu.

 

 

- Não! Deixei de ter pressa há muito tempo!

 

 

- Nunca a tinha visto por aqui, está de visita? – intrometi-me mais uma vez.

 

 

- De visita? Sim! Estou de visita ao passado! – quando terminou a frase olhou-me. Pela primeira vez tive contacto com os seus olhos.

 

 

- Boa visita então. – disse-lhe por fim, e retirei-me.

 

 

Que olhar tão triste, que olhar tão profundo, que olhar tão, tão familiar… Sim, aquele olhar pareceu-me estranhamente conhecido. Mas de onde? Que inquietação.

 

Voltei a olhar para ela. Que sensação estranha. A verdade é que tenho a mania de observar as pessoas, mas aquela mulher estava a tornar essa minha mania numa obsessão. Era como se quisesse descobrir tudo o que aquela pose escondia. Era como se quisesse desvendar a razão daqueles pequenos olhos não brilharem. Era como se ela própria me estivesse a pedir para a olhar. E a verdade, é que podia estar um dia inteiro a olhar para ela, que jamais me cansaria de o fazer.

 

 

Ela olhava compenetrada para a chávena, como se fosse a única coisa que existisse no mundo naquele momento. Talvez estivesse a pensar em alguém, ou simplesmente tivesse tido um dia mau e estava a reflectir sobre ele. Ou não. Ela estava ali para visitar o passado, por isso, os seus pensamentos certamente andariam a passear por esse passado.

 

 

Terminou o chá e levantou-se delicadamente, depois de deixar o dinheiro em cima da mesa. A verdade, porém, é que aquela mulher se revigorou, como se fosse outra mulher, uma mulher confiante, autodeterminada, capaz de enfrentar qualquer tempestade. Antes de sair olhou-me e sorriu-me, por fim saiu sem que eu tivesse tempo de lhe retribuir o sorriso. Mas, mais uma vez tive a sensação de que conhecia aquele sorriso de algum lugar. Aquele sorriso doce, e delicado, e ao mesmo tempo traiçoeiro.

 

 

Envolto nestes pensamentos, dirigi-me à mesa dela, peguei na chávena e no dinheiro, quando reparei que ela se tinha esquecido da luva. Peguei nela, e vi duas letras bordadas M. F. .

 

 

Madalena? Claro, aquele olhar e aquele sorriso. Como é que não a reconheci? Deixei cair a chávena que se desfez em pedaços. Corri para a porta, mas já não vi ninguém.

 

 

Voltei para o interior do salão, fiquei a olhar para a luva, e para os bocados da chávena jazidos no chão. Era agora eu, quem visitava o passado…

 

 

Durante os dias que se seguiram, esperei que ela voltasse para recuperar a luva esquecida. Mas não voltou. A vida retomou o seu rumo. E este foi mais um episódio da minha vida. Um sonho inacabado, que o tempo às vezes faz questão de me recordar.

 

 

A vida dá tantas voltas, exige-nos tanto, e as adversidades fazem-nos fortes. No entanto, somos tão frágeis se nos deixam cair.

 

Texto inspirado no desafio da Fábrica de Histórias

 

"Veja bem, nosso caso é uma porta entreaberta
Eu busquei a palavra mais
certa
Vê se entende o meu grito de alerta
Veja bem, é o amor agitando meu
coração
Há um lado carente dizendo que sim
E essa vida da gente gritando
que não"

 

 

 

 

 


 

 

 
 

Autoria e outros dados (tags, etc)



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2012
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2011
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D