Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]





Pum. Pum. Pum.

por ss, em 15.01.12

Crise! Crise! Crise! Ou. Pum! Pum! Pum!

Nos últimos tempos, fomos bombardeados com fortes medidas de austeridade:

Corte do subsídio de férias e do subsídio de natal.

Aumento do IVA na electricidade, restauração, refrigerantes, óleo alimentar, enlatados...

Introdução de portagens nas SCUT.

Aumento das taxas moderadoras, das propinas, e dos transportes.

...

E, havendo fundados receios de que isto não fique por aqui, de cada vez que o Ministro das Finanças, Vítor Gaspar, vem a público, o nosso instinto, é colocarmos um escudo protector na nossa frente, como se nos estivéssemos a defender das balas do inimigo.

O problema é que o inimigo é certeiro, e de pouco nos vale escondermo-nos. Somos alvejados sem dó nem piedade, de forma muuuuuuito lenta (dado o discurso do Sr. Ministro), como se nos quisessem massacrar.

Por incrível que pareça, os tiros parecem ter uma só direcção! Ou então, há quem tenha escudos protectores mais eficazes, e por isso mesmo,  fique imune a tais ataques. Mais uma vez se constata a minha teoria: o princípio da igualdade só está consagrado formalmente, porque na realidade ele não se aplica!

Pum. Pum. Pum, e continua tudo na mesma, ou pior:

- Aumento da taxa de desemprego;

- Recessão da economia;

- Descontentamento social.

Perante isto, sou obrigada a constatar que a situação que vivemos é difícil. Estamos de certeza num período de depressão e de escuridão (luzes mesmo, só na Luz).

No entanto, desligando-me da realidade, e fazendo uma viagem ao meu passado, verifico que os tempos sempre foram difíceis! Desde que me lembro, os meus pais sempre tiveram que fazer esforços para que o salário chegasse ao final do mês. A minha mãe sempre comprou os produtos de marca branca, o frango sempre foi a carne mais consumida lá em casa,  e os enlatados também eram muito frequentes. E, o meu pai, sempre embirrou connosco (comigo, e com o meu irmão, por causa da televisão e do pc), dizendo que no final do mês seriamos nós a pagar a luz, e referindo que a luz estava cara. E estas lembranças acompanham-me desde sempre, não são de hoje.

A grande diferença, é que agora há um maior número de pessoas para quem os tempos são difíceis. E, é por isso, que a crise anda na boca de toda a gente, e tem estas proporções. Afectando um maior número de pessoas as consequências são inevitavelmente piores para o país!

Pergunta-se: o que nos terá levado a esta situação? Há várias teorias. Haverá vários culpados.  Porém, essas questões serão deixadas para os historiadores, e para os estudiosos. Não há tribunais que julguem as más opções políticas! E por isso, a culpa morrerá solteira. No entanto, estamos numa situação sui generis: não há culpados, mas há quem tenha de assumir as responsabilidades. E esse papel é nosso, é do "povo". No fundo, o que temos é uma base a sustentar o topo da pirâmide. Não é estranho que assim seja, pois não? Se invertêssemos os papéis, há muito que a pirâmide tinha caído, e nosso "jardim à beira mar plantado", ter-se-ia, sucumbido.

 

Saúde, trabalho e esperança! É o que desejo a todos!

 

"The future's in the air
I can feel it everywhere
Blowing with the wind of change"

 

 

Texto escrito para a Fábrica de Letras (fabricadeletrasepalavras.blogspot.com)

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)



Mais sobre mim

foto do autor



Arquivo

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2012
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2011
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D